20 de janeiro de 2019

Moonfleet


Visto em DVD, o filme Moonfleet (1955), pertencente à fase americana de Fritz Lang, baseia-se num livro com o mesmo título, de J. Meade Falkner, publicado em 1898. Devido não só à atmosfera mas também à relação entre um adulto de moralidade duvidosa e uma criança, a intriga, em que um órfão (Jon Whiteley) aparece numa povoação sombria em busca de um homem que talvez seja o seu verdadeiro pai (Jeremy Fox/Stewart Granger), lembra vagamente o enredo de Great Expectations, de Charles Dickens. Infelizmente, ao contrário de Great Expectations, que é um grande romance, Moonfleet pode ser descrito como um divertimento que combina, por vezes sem grande coerência nem equilíbrio, elementos do melodrama gótico com outros dos filmes de aventuras, de fantasmas, de piratas e de capa e espada. Em comparação com outros filmes deste magnífico realizador, desilude um pouco. A dimensão mais sugestiva é, sem dúvida, a que coloca em jogo fantasmas, subterrâneos, criptas, igrejas escuras, poços, praias à noite, mansões em ruínas e um passado desonroso para recuperar. Neste contexto, destaca-se a invulgaridade da personagem da criança, que Bénard da Costa descreveu como «miúdo-cão», pelo facto de seguir Jeremy Fox como um cão dócil – uma característica carregada de ironia, na medida em que o adulto teria sido dilacerado pelos cães que a família da criança atiçara contra ele, guardando ainda as cicatrizes que resultaram desse episódio. Nos seus melhores momentos, Moonfleet é um filme sobre a possibilidade de construir o futuro corrigindo ou reformulando os erros cometidos no passado, mas este tema dilui-se num enredo pouco interessante, ainda por cima com interpretações algo insípidas. Talvez um visionamento em sala, capaz de fazer justiça ao cinemascope e à fotografia rica em tonalidades sombrias, pudesse ajudar a perceber a razão de este filme ter sido levado aos píncaros por uma certa crítica, nomeadamente a francesa.

13 de janeiro de 2019

O Círculo | Feliz Como Lázaro


Curiosamente, esta semana o Cinéfilo Preguiçoso viu dois filmes que têm em comum um mundo opressivo e um movimento de fuga que fracassa. Em O Círculo (2000), visto na Cinemateca, o realizador iraniano Jafar Panahi segue as trajectórias de meia dúzia de personagens femininas que acabaram de fugir da prisão ou que foram detidas há pouco. O tema predominante é o do medo em face da omnipresença das autoridades ou de pessoas hostis. O Círculo é um filme dinâmico que mostra corpos em trânsito, vagueando por uma Teerão filmada como cidade barulhenta, confusa e, sobretudo, indiferente. Os momentos mais fortes do filme, paradoxalmente ou não, são, contudo, aqueles em que o frenesim dá momentaneamente lugar à espera, por parte de personagens que se esforçam para decifrar o cenário que as rodeia antes de decidirem o que vão fazer. A mensagem política é clara: o mundo exterior assemelha-se à prisão que estas mulheres acabaram de deixar ou se preparam para (re)encontrar. Não surpreende que este filme tenha sido banido pelo Ministério da Cultura iraniano, à semelhança do que viria a suceder repetidas vezes na carreira de Panahi, que acabou sendo condenado a prisão domiciliária e está há vários anos impedido de sair do país. Por sua vez, Feliz Como Lázaro (2018), da italiana Alice Rohrwacher, visto no videoclube de uma operadora de telecomunicações, combina, por um lado, o realismo da representação de uma comunidade de agricultores que vive numa plantação de tabaco remota e isolada, numa situação anacrónica de servidão, com, por outro, um registo de fábula, centrado na personagem de Lázaro, um jovem simples de espírito com laivos de S. Francisco de Assis, que, na sequência da queda por uma ravina, adormece durante décadas e acorda, como uma espécie de Bela Adormecida no masculino, sem ter envelhecido. O reencontro num subúrbio deprimente com os antigos companheiros da plantação, já livres mas em plena situação de miséria, vivendo de expedientes, sugere uma conclusão que, afinal de contas, não difere radicalmente da de O Círculo: a liberdade é ilusória e as circunstâncias políticas ou sociais condicionam a vida e a possibilidade de se ser feliz de forma tão violenta como as grades de uma prisão. Não se pode dizer que esta noção seja explorada com muita profundidade em Feliz Como Lázaro, que, aliás, não pretende ser um filme meramente político, mas o equilíbrio que Rohrwacher alcança entre as dimensões realistas e fantásticas é notável, daí resultando uma obra original e sedutora que nos recorda que o desejo de ser surpreendido é uma das razões pelas quais ainda vemos filmes. O Cinéfilo Preguiçoso, que já escreveu também sobre o filme Táxi (Jafar Panahi, 2015), irá estar atento à estreia em Portugal da última longa-metragem deste realizador, Três Faces, anunciada para o dia 31 de Janeiro.

6 de janeiro de 2019

O Amante Duplo | Roma


Depois do Natal, o Cinéfilo Preguiçoso viu O Amante Duplo (2017), de François Ozon, baseado no romance Lives of the Twins, de Joyce Carol Oates. Se Frantz, o filme anterior deste realizador, jogava com as expectativas do espectador numa moldura aparentemente inofensiva, superando-as sempre, O Amante Duplo, pelo contrário, vai confirmando todas as expectativas numa moldura aparentemente chocante – e com tristes resultados. Os únicos momentos que se salvam são no início, quando ainda não entraram em acção as convenções associadas quer ao privilégio do ponto de vista de um protagonista perturbado quer às histórias sobre gémeos. Quem estiver familiarizado com um número razoável destas histórias, tanto no cinema como na literatura e até na cultura popular, não encontrará neste filme qualquer surpresa. Por esse motivo, sentirá que a insistência no tom chocante é gratuita, superficial e irritante. Se conhecer os filmes Dead Ringers (1988), de David Cronenberg, e A Zed & Two Noughts (1985), de Peter Greenaway, o espectador não conseguirá afastá-los da cabeça. Note-se que o Cinéfilo Preguiçoso não gosta de dizer mal de François Ozon; no passado, já teve ocasião de o elogiar (Uma Nova Amiga, de 2014, além do próprio Frantz) e de o criticar (5x2, de 2004). No entanto, algo está muito mal quando um filme recorda outros que não são necessariamente mais interessantes. Quanto ao tão falado Roma (2018), de Alfonso Cuarón, é de facto um filme complexo do ponto de vista visual, sempre com muita coisa a acontecer em cada plano, com uma fotografia belíssima e que ganha em ser visto numa sala de cinema. É interessante que se preste atenção à história supostamente menor de uma empregada doméstica e que esta personagem se distinga pela individualidade – as empregadas domésticas dos filmes costumam ser tratadas como criaturas banais e insignificantes, enquanto esta tem alguma densidade psicológica. À parte estas duas características dignas de nota, não há, contudo, muito mais a destacar no filme de Cuarón. Não se pode dizer que Roma seja um filme realmente memorável. Para terminar, esperemos que 2019 seja um ano de cinema melhor do que 2018 – com mais pessoas interessadas em ver filmes em sala (nada contra as outras soluções, desde que não obliterem esta, que precisa de ser defendida), com menos filmes produzidos e recebidos de acordo com uma ideia preconcebida do que um “bom filme” deve ser e mais filmes que mostrem o que o cinema pode ser. São os votos do Cinéfilo Preguiçoso.

16 de dezembro de 2018

Le Livre d'Image


A carreira de Jean-Luc Godard sofreu um número impressionante de metamorfoses nos 63 anos que passaram entre o seu primeiro filme, o documentário Opération Béton (1955), e o recentemente estreado Le Livre d’Image (2018). Se existe denominador comum, será a compulsão para reflectir sobre o mundo através das imagens, do som e da montagem, manifestada de modo evidente tanto nos filmes narrativos como nos de natureza documental ou ensaístico. Le Livre d’Image aproxima-se claramente do registo e do modus operandi de Histoire(s) du Cinéma (1988-1998), consistindo numa colagem de imagens de arquivo e segmentos sonoros, com diferentes graus de manipulação. A divisão em cinco núcleos temáticos, explorando o simbolismo dos cinco dedos da mão, ajuda o espectador a organizar mentalmente o fluxo sensorial e semântico que o atinge, mas não conduz necessariamente a uma perspectiva mais global e integrada sobre uma eventual tese que o realizador quisesse transmitir. Mais do que a enunciação de um sistema ou de ideias próprias, Godard sempre privilegiou o trabalho de reflexão sobre o mundo através do cinema: dentro desta linha, Le Livre d’Image é uma cadeia de microteses, interrogações, paradoxos e provocações que nascem ou são ilustrados pela fricção entre as imagens e os sons. Cinquenta e oito anos depois dos jump cuts de À Bout de Souffle (1960), é ainda e sempre a montagem o instrumento godardiano por excelência, perdurando no realizador a convicção de que, da justaposição de duas impressões distintas, pode dialecticamente nascer algo de novo e fecundo. (Curiosamente, a montagem deste filme é co-atribuída a Godard e a três colaboradores, entre os quais Nicole Brenez, a conhecida historiadora e especialista em cinema experimental.) O capítulo final do filme distingue-se dos outros por ter um cariz mais narrativo e por incluir imagens originais, em vez de recorrer exclusivamente a arquivos. O enredo, baseado num romance de Albert Cossery, envolve lutas de poder num emirado fictício. O filme perde alguma coesão nesta fase, embora se entenda a intenção, e a pertinência dentro da dinâmica argumentativa do filme, de discutir a invisibilidade do cinema árabe no Ocidente e a inadequação das tentativas de compreender a realidade do mundo árabe pelos meios cinematográficos convencionais, coniventes com a perspectiva distorcida imposta pelos códigos e poderes ocidentais. Le Livre d’Image termina numa nota intensa e comovente: a voz de Godard, interrompida pela tosse, discorrendo (inesperadamente) sobre a necessidade de manter a esperança contra todas as evidências, e um trecho de Le Plaisir (1952), de Max Ophüls, em que uma personagem mascarada dança até desfalecer no chão de um salão de baile. Os cinéfilos sabem (e Godard sabe que eles sabem, ou deveriam saber) que esta personagem é um cavalheiro idoso que usa uma máscara numa tentativa de se fazer passar por jovem e assim conservar a capacidade de seduzir as mulheres. Seria simplista pensar que Godard nos apresenta esta personagem como exemplo a seguir, convidando-nos a persistir na esperança, por mais ingénua que esta pareça depois de nos ter apresentado centenas de exemplos de atrocidades e falhanços (da humanidade e da imagem). O cinema de Godard sempre foi assepticamente isento de paliativos ou de prescrições. A imagem do dançarino que tomba e a do rosto chocado da sua parceira Gaby Bruyère são oferecidas ao espectador para que ele faça delas o que quiser. Cada fotograma de cada filme de Godard é um ponto de partida.

O Cinéfilo Preguiçoso regressa em Janeiro. Boas festas para todos.

9 de dezembro de 2018

Godard, o Temível


Esta semana estreou o filme mais recente de Jean-Luc Godard. Será que o Cinéfilo Preguiçoso o viu? Não, por causa dos horários estapafúrdios em que o filme passa. Os leitores desta crónica, portanto, terão de se contentar com as impressões do Cinéfilo sobre um filme que há algum tempo queria ver, embora temendo o pior: Godard, O Temível (2017), de Michel Hazanavicius – em francês, Le Redoutable. Baseado em Un an après (2015), um livro de memórias de Anne Wiazemsky, o filme acompanha a relação desta actriz (e neta do escritor François Mauriac) com o realizador franco-suíço durante uma fase da carreira deste em que, um pouco antes e um pouco depois de Maio de 68, as preocupações políticas ocuparam um lugar predominante nos seus filmes. Apesar de alguns momentos irritantes, muitos deles concentrados nos vinte minutos iniciais, Godard, O Temível não é tão detestável como se poderia imaginar. Explorando Godard enquanto figura pop, uma dimensão que o próprio soube cultivar, Hazanavicius retém os aspectos mais decorativos da estética de alguns filmes do realizador (nomeadamente da segunda metade dos anos 60) – o esquema cromático, o guarda-roupa, o uso de intertítulos –,  e concentra-se nas características mais infames da personalidade de Godard: um certo moralismo; a tendência para se levar demasiado a sério, exigindo o mesmo dos outros; a rispidez; a manipulação emocional; o gosto pela provocação. Ainda assim, a escolha de Louis Garrel para interpretar o papel de protagonista acaba por tornar a personagem menos desagradável, aligeirando-a. Sobre Godard, estamos habituados a reacções extremas: de um lado, os adeptos incondicionais; do outro, os adversários que o consideram um rezingão insuportável. O facto de este filme se basear num relato de Anne Wiazemsky torna-o mais interessante: temos acesso à perspectiva de alguém que, tendo amado, admirado e convivido intimamente com o realizador, conhece e transmite bem tanto as suas qualidades como as suas fraquezas.  Além de ter alguns tiques que Hazanavicius parece ter importado desnecessariamente do filme O Artista (2011), Godard, O Temível está muito longe de ser um grande filme, mas quem se interessa por Godard não dará o seu tempo por perdido.